criança_interior

A criança interior: 5 aspectos fundamentados em teoria

Provavelmente você já leu ou ouviu falar sobre a “criança interior”. Uma busca no Google e aparecem diversos sites, livros, posts e cursos. Diante de tanto conteúdo, como filtrar o que é confiável e o que é só enganação? Neste post, trago 5 informações fundamentadas em estudiosos e pesquisas para ajudar nesta “filtragem”!

1. Saúde mental e criança interior

Carl Gustav Jung foi um dos pioneiros ao adotar o arquétipo da criança interior. Ele associou essa criança interna a experiências passadas e memórias de inocência, brincadeira e criatividade, juntamente com esperança para o futuro.

2. Criança interior e o começo da vida

Por sua vez, Winnicott focou na comunicação entre a criança e o(a) cuidador(a) e em como ser ou não reconhecido afeta a criança interior e, portanto, o ser humano mais tarde na vida.

Para ele, quando nascemos, não encontramos nada pronto no mundo “lá fora”. No começo da vida, somos nós quem criamos tudo o que encontramos.
Primeiro para nós mesmos, em nosso próprio mundo. Isso acontece para que, mais tarde, quando estivermos prontos, possamos encontrar nossas “criações” nas coisas do mundo lá fora. Essa é a base da nossa capacidade de “acreditar em”.

3. Criança interior e criatividade

Ainda de acordo com Winicott “é somente sendo criativo que o indivíduo descobre o eu (si mesmo)”. Ou seja: quando encontramos algo que corresponde ao que criamos nos sentimos mais vivos e reais.

É claro que as coisas do mundo real nunca são exatamente iguais ao que criamos na imaginação. Aprender a tolerar e a aceitar essa diferença nos permite continuar a criar, descobrir e acreditar.
Mas essa criatividade não é infinita, de modo que precisamos exercitá-la ao longo da vida. E continuar em contato com a infância – as brincadeiras, o faz-de-conta, a magia das coisas – é uma forma de mantê-la viva dentro de nós.

4. Outras interpretações possíveis para a “criança interior”

Para a Análise do Comportamento, comportamento é a interação entre organismo e ambiente – que pode ser o externo (mundo ao redor) e o interno (“mundo debaixo da pele”). Resumidamente, há três níveis de seleção do comportamento: o filogenético (ou seja, o que herdamos da nossa espécie), o ontogenético (o que vivemos no decorrer da nossa própria vida) e o cultural (o que o nosso “mundo social” nos ensina em termos de normas, regras). Assim, as vivências que temos desde o nosso começo – e que por meio delas vamos aprendendo e nos desenvolvendo – farão parte do nosso repertório (isto é, conjunto de comportamentos).

5. Da infância para toda a vida

Pesquisadores* demonstram novos a influência da “criança interior” ao longo de vida. Ao entrevistarem idosos, observaram que as experiências durante a infância têm impacto na escolha da profissão e também na forma como agimos em relação à próxima geração. Também encontram que a criança interior é uma síntese de todas as idades e que esta síntese pode ser alcançada mantendo vivo o melhor aspecto de cada era.

Quer resgatar a criança que existe em você? Então veja este post aqui!

Saiba mais!

Interessou-se pelo tema? Então, inscreva-se gratuitamente na minha newsletter, a Newsleve, e receba semanalmente meus conteúdos sobre esse universo apaixonante da Perinatalidade e Parentalidade. Inscreva-se aqui: NEWSLEVE

Sobre este post

O texto original foi escrito por Ana Carolina Braz e Ana Cristina Braz (Maternar mais leve ®). Todos os direitos reservados. Se usar o conteúdo, cite a referência usando as sugestões deste post aqui. Imagem: Banco de imagens do Canva.

Referência consultada para este post:

10.3402/qhw.v11.31486

 

 

Comentários

Cadastre-se e receba materiais gratuitos que contribuirão para um maternar com mais leveza e menos culpa.

    • Siga o Maternar mais Leve no Instagram

      Ajudo mães a descomplicarem a maternidade.
      Mais leveza e menos culpa.

      Ir para o Instagram

      This error message is only visible to WordPress admins

      Error: No feed found.

      Please go to the Instagram Feed settings page to create a feed.